sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Cantora capixaba da música gospel





Por Miguel Filho






Foto: Divulgação
Desde menina, entre os bancos da igreja que freqüentava, a capixaba Bruna Olly vivia envolta à música. Hoje, aos 18 anos e três álbuns lançados, a cantora concorre em duas categorias no maior prêmio voltado ao meio gospel do Brasil, o Troféu Talento.


Com a alegria esperada de uma jovem em ascensão na carreira, Bruna conversou com o Folha Vitória e demonstrou que, apesar da idade, maturidade e segurança no que deseja fazer com a própria carreira não lhe faltam. A cantora gospel inclusive tocou em assuntos delicados, como o eterno embate entre os jovens evangélicos e os não-convertidos (considerados "do mundo" pela maioria das igrejas) e a possibilidade de gravar canções fora do mercado gospel.


Infância
Eu cresci na igreja. Meu pai é pastor da igreja Assembléia de Deus Vida Abundante e então eu cresci com a música ao redor. Antes do meu pai, meu avô já era pastor de uma igreja evangélica. Foi na igreja que eu desenvolvi o meu talento.








Foto: Divulgação

Evolução
Eu tenho três CDs lançados. O primeiro (Abrigo) foi aos 13 anos por uma gravadora aqui do Estado. Na época, eu era muito nova e não tinha uma identidade. Então o álbum tem canções voltadas para o meio pentecostal. No segundo CD (Pra Te Adorar), por uma gravadora nacional (Graça Music), eu amadureci e coloquei um som mais pop com uma levada rock. Já o terceiro (Mais Perto de Deus) é bem mais pop-rock. A gente vai amadurecendo, estudando música e se conhecendo.


Produção capixaba
O último CD foi lançado por uma gravadora nacional, mas foi todo realizado aqui no Espírito Santo. Eu gravei em Vila Velha, os produtores são todos daqui.

Preconceito
Existe sim um preconceito contra os jovens evangélicos. Mas eu não me importo e encaro de uma forma natural, tenho convicção do que quero e sei que tenho o melhor. É verdade que o jovem evangélico não faz tudo que os outros fazem, não vou mentir, mas isso é porque a gente escolhe. Uma vida com Deus significa renunciar algumas coisas. Tudo que Deus tem feito no meu caminho é a prova de que vale a pena. Mas não significa que não somos felizes. Nós também curtimos a vida, mas de uma forma mais saudável que a maioria.








Música secular X Música gospel
Não vejo problemas no cantor gravar uma música secular se a letra da canção não ferir os meus princípios. Eu também já gravei uma música romântica, mas dentro do que acredito. Eu não penso em gravar um CD só de música secular porque eu gosto de falar de Jesus. Minha escolha é fazer música de qualidade, mas que fale de Deus, que seja pra Ele. Eu acredito que a música evangélica não mexe só com o emocional, mas também com o espiritual. A bíblia diz que Deus habita no meio dos louvores. Não sou contra as músicas seculares, mas prefiro as da palavra de Deus.


Próximos projetos
Eu ainda não tenho certeza de quando será lançado, mas já estou escolhendo repertório para o próximo álbum. Talvez no final do ano, ou começo do ano que vem. Gostaria muito de trabalhar com a Jaci Velásquez, que me inspirou na carreira e com a Aline Barros, de quem admiro o trabalho. Quero aproveitar e agradecer o carinho que tenho recebido das pessoas e lembrar que as votações para o Troféu Talento já estão abertas no site do prêmio.


5 comentários:

  1. Tem um presente para você no meu blog. Pegue já!!!

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Olá Bruna,

    Muito obrigado por prestigiar meu blog, e parabéns pelo seu trabalho, suas músicas são lindas e inspiradas, estou te seguindo também.

    ResponderExcluir
  4. Bruna,
    Que Deus Pai te abençoe e o Es´pírito Santo te ilumine empre.
    Este é um dos meus Blogs:

    http://sempreamigosdafe.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Não sei se vc lembra de mim, mas gostaria que entra se em contato comigo.Se for vc mesmo entra no msn ..um abração!!!DE:Rodrigo ferreira

    ResponderExcluir